segunda-feira

memórias de quarentena

Essa é a vista que me cabe, há 55 dias. 

Eu não fui na rua um dia sequer e não desci nem na portaria do prédio pra dar um passeio de elevador. Há cinquenta e cinco dias as predes da minha casa são mais que a minha casa. São meu mundo todinho. 

Eu ouço os vizinhos ao telefone, tem cachorro que late, criança que faz birra e tem essa obra que empoeira a janela do meu quarto e faz barulho de segunda à sábado. Tem esse papel de parede do quarto que está descascando em TODAS as 3 predes que reveste e que me mata de ódio diariamente. Tem trabalho, tem meus livros e minhas plantas (que já viveram dias melhores).

Mas já tenho planos pra esse papel de parede que descasca... já imaginei novas plantas em diferentes cantos do apartamento e já ensaiei comprar um tapete pra sala e desisti por ter certeza que as cachorras não vão se adaptar. Aprendi a ter um novo relacionamento com a minha casa. 

Também tenho planos pra quando meu mundo começar a transbordar essas fronteiras: quero comemorar meu aniversário, quero rever meus amigos, quero abraçar pessoas - logo eu que não sou de abraços, quero sentar numa mesa de boteco, madrugar na rua e voltar a pé pra casa, mesmo sabendo que não tenho mais idade pra isso. Essas são coisas que há 55 dias eu JAMAIS imaginaria que iria valorizar como valorizo hoje. Voltar pra casa vai ter, pra sempre, um significado diferente.

Acho que é isso que querem dizer quando falam que “o mundo da voltas”. Porque eu tenho certeza que, quando eu finalmente sair na rua, o mundo que vai estar lá me esperando, não vai ser nem de longe parecido com o mundo que eu vi, pela última vez, no dia 17 de março de 2020.

10 comentários:

  1. Eu nem sei o que esperar quando tudo isso passar :c

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz que esteja mesmo criando uma boa relação com a sua casa, é melhor assim do que se irritar com ela, afinal, é a sua casa que está te protegendo ;)
    E sobre planos... também tenho vários. Inclusive, eu que tbm não sou dada à abraços, tô sentindo uma falta enorme disso. É aquele velho ditado: a gente só dá valor quando perde.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?
    Eu às vezes saio para comprar comida ou apenas até a porta de casa pra ver a rua. É estranho, mas não sei como seria viver esse isolamento se morasse em um apartamento.E assim como você, também comecei a pensar nas coisas que eu não dava muita atenção ou não me importava e hoje quero muito fazer. Espero que tudo isso passe e que possamos viver sem medo de respirar.
    PS: gostei muito do seu desafio de escrita. Não sei se postarei todos os dias, mas vou tentar pelo menos uma vez por semana.
    Abraços,
    Ava.
    https://apenasava.com/
    abraços

    ResponderExcluir
  4. "Aprendi a ter um novo relacionamento com a minha casa"...isso é muito verdade! Compartilho do mesmo sentimento! ♥

    ResponderExcluir
  5. tá sendo o maior mixed feelings né? até euzinha aqui que curtia demais esse negócio de ficar em casa isoladinha tô com saudade de bater perna, de curtir umas aglomerações... é meio que saudade de poder ir pra rua pra sentir saudade de voltar pra casa também

    ResponderExcluir
  6. Acho que todo mundo tá meio assim, criando uma nova relação com a nossa casa e já planejando os futuros rolês e valorizando desde já.
    O importante é aproveitar esse momento da melhor maneira que podemos.

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  7. A gente tem descoberto muito mais coisas do que imaginava, né?

    Limonada

    ResponderExcluir
  8. tá tudo completamente bizarro, né?
    pior que aqui na minha cidade nem parece que tem quarentena: muita gente nas ruas e tem festa direto aqui nas redondezas...
    o pessoal aqui na minha quebrada não tá levando a sério

    esperemos o melhor <3

    ResponderExcluir
  9. é engraçado com o relacionamento com a nossa casa, conosco e com as pessoas mudaram nestes últimos meses. também tenho olhado para as paredes da minha casa de outra forma. o que antes me incomodava, hoje aprendi a gostar. nesse meio tempo me descobri mãe de planta também e quero meter um vasinho em cada canto. alguns laços se foram, outros se fortaleceram. e assim vamos seguindo.

    um beijo, gabi ramalho ♥

    ResponderExcluir
  10. Essa postagem tem significado para mim, me identifico muito com as suas palavras. É tão estranho o modo com que a gente está reparando tanto nas coisas, como o pouco tem se tornado muito. Os detalhes estão mais evidentes e a gente começa a pensar em como eram as coisas antes disso começar e a sentir falta de tudo, dar valor às coisas antes banais. É um momento tão delicado, tão triste, mas o confortante é saber que tudo isso vai passar, que no fim das contas tudo vai ficar bem. Um beijo, Ana querida, se cuida ♥

    ResponderExcluir